11 de junho de 2011

Darband - gastronomia e trilhas a 2 mil metros de altura

Darband fica numa região no norte de Teerã, ideal para um dia de lazer e felizmente pertinho de minha casa.
Chega-se lá por uma única estrada de mesmo nome, que vira uma ruela, que então vira uma escadaria para finalmente tornar-se uma trilha nas montanhas. Este trajeto é feito ao lado de um rio que depois se torna uma bela cachoeira subindo a trilha. A grande peculiaridade de Darband são as dezenas, ou talvez centenas de restaurantes e casas de chás que ficam encravados na montanha e às vezes até mesmo dentro do rio. Alguns restaurantes colocam tablados de madeira com tapetes por cima do rio, criando um clima "refrigerado" para seus clientes, especialmente agradável na estação de verão. Outros pegam mangueiras e borrifam água no entorno de suas casas de chás criando uma nuvem úmida. Tapetes persas e luminárias não faltam no local.

Início da trilha
Tablados de madeira com tapetes persas para os clientes dos restaurantes sentarem e desfrutarem.

Ontem saímos de casa após o café da manhã reforçado para fazer a trilha. Conosco apenas um boné, celular e dinheiro no bolso. Nem levamos mochila com mantimentos, afinal por toda a trilha, mesmo nos lugares mais altos, é possível encontrar alguém vendendo água, pepsi e cerveja sem álcool. O público de Darband é heterogêneo: desde moças com saltos altíssimos e super maquiadas - prontas para a paquera -, a mochileiros muito bem paramentados com seus bastões de trekking e roupas tecnológicas.

Eu fui de calça de trilha, camiseta dry-fit manga comprida, e tênis salomon. Como "acabamento", para adaptar-me à moda islâmica obrigatória, coloquei por cima uma camisa comprida tapando as nádegas e um lenço na cabeça. O lenço dá um grande desconforto térmico ao fazer esportes, mas a medida que avançávamos na trilha de Darband e nos afastávamos da "muvuca" de pessoas nos restaurantes pude perceber que as mulheres desfilavam mais livres de suas obrigações de vestuário: os lenços foram substituídos por bonés com proteções no pescoço ou mesmo por um simples boné com a aba virada para trás. Vez ou outra encontrava uma moça sem nada na cabeça descansando em um canto com amigos. Em outras ocasiões mais raras via mulheres de chador (pretinho básico completo da cabeça aos pés) e tamancos/ sandálias nada práticas para a trilha pedregosa. E eu, com o meu tênis poderoso, perguntava-me como estas mulheres conseguiam se equilibrar pelo caminho. Vale lembrar que um chador não tem botão ou zíper e para mantê-lo fechado deve-se usar as mãos por dentro do tecido. (para saber mais sobre CHADOR, veja as postagens de 2010 com o vídeo de como vestir um chador e a de conceitos da moda islâmica, ou ainda na wikipédia).


Já com a camisa amarrada na cintura e sem véu.

Faltando pouco para o ápice da trilha, dei uma "amarelada" e não quis prosseguir já que minhas pernas não estavam respondendo adequadamente e o fato de ter que continuar numa espécie de trilha/ escalada com um precipício ao lado não me animou muito. Vale destacar que nesta altura da trilha passamos por um "alojamento resgate" com um grande cartaz exibindo fotos de pessoas horrivelmente acidentadas na trilha. Nada estimulante... O Rafael, que possui falta de genes relativos à racionalidade vinculados à auto-preservação do seu "eu" [o que esperar afinal de um EX-(paraquedista, alpinista, esqueitista, surfista, etc, etc)?!], não hesitou em prosseguir enquanto eu aguardava em um local mais seguro ao lado de uma banquinha improvisada de refrescos. Pena que, sem ter considerado este fato, o dinheiro ficou no bolso da calça do Rafael... :-P
OK então: uma hora de espera sem nada para beber. Pelo menos ganhei uma bala de um dos trilheiros que por ali passou (achei que já estava grandinha para aceitar balas de estranhos).

Advertência quanto à acidentes nas montanhas. Sinistro!



Mais aliviada pela decisão tomada: daqui eu não passo!


Ponto de desistência/ início da "escalaminhada".

Vista da etapa final da trilha. Desisti na metade do que aparece nesta foto.

Avisos em farsi. Só entendi a altitude e as caveiras.

Alojamento no alto da montanha (foto tirada pelo Rafael). Considerando agora que os caras levaram todos estes tijolos até lá, devo reavaliar o grau de risco da trilha para uma próxima vez.


No total, são mais de 1000 metros de altitude entre o início da trilha e o ápice de um dos picos da cadeia de montanhas. No alto há um pequeno restaurante e alojamento, e de lá é possível prosseguir por outra trilha para alcançar o teleférico de Tochal (onde há uma estação de esqui). Acho que em uma próxima vez, mais preparada psicologicamente e não tendo que retornar pela mesma trilha, prosseguiremos por esta rota.

A descida da trilha requer, se os têm, bastões de trekking para poupar os joelhos. Além das pedras, alguns trechos estão molhados e são bastante escorregadios. No entanto, a certeza de uma parada em um dos agradáveis restaurantes para desfrutar da gastronomia local ajuda na motivação. Prato principal: naturalmente um kebab com arroz. Incrementamos a opção pedindo uma "badendjam" (beringela) refogada com lentilha/ cebola/ etc e petiscos de azeitonas com pasta de castanhas. Adoro!

Badandjam com iogurte por cima (para comer com pão ou arroz).

Arroz, pão (em baixo do prato de arroz), kebab, folhas de um tipo de manjericão mentolado, salada e azeitonas com pasta de castanhas.


É praxe no Irã tomar chá. Quando você o pede, é certo que virá com tâmaras e um pirulito de açúcar. Este normalmente é colocado na xícara para adocicar o chá ou mesmo para amolecê-lo e ser então mordiscado. Fica a critério do freguês. Deixá-lo de lado também é permitido. ;-)

Chá, pirulitos e tâmaras.

Rafael pediu um narguilé no final "só para relaxar" da trilha.

3 comentários:

  1. E as meninas de salto agulha foram na parte do scrambling?
    Agora... Rafael sem noção? Imagina!

    ResponderExcluir
  2. Em minha defesa: quando segui na trilha, lembrei que a Carol estava sem dinheiro. Inicialmente pensei "bom, ela sabe que eu vou voltar, se tiver fome ou sede ela pede algo e quando eu voltar eu pago". Depois de uns 5 minutos na trilha eu pensei "bom, conhecendo a Carol como eu conheço, acho que ela é capaz de morrer de sede, mas não vai comprar uma água, sequer. De certo ela pensou, o Rafa pode morrer nessa trilha perigosa aí eu não terei como pagar..." :-D

    ResponderExcluir
  3. O que se ve na segunda foto sao mesas postas sobre o leito do rio? O regime de chuvas deve ser bem constante, senao facil facil o jantar vira rafting, imagino. Impressiona a diversidade de paisagens.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails