8 de setembro de 2008

Caribe Venezuelano

Sim, na Venezuela tem Caribe, e dos bons.

Todo o litoral possui diversas praias e reservas, bem como há ilhas e arquipélagos famosos, como Isla Margarita e Los Roques. Os Venezuelanos consideram Isla Margarita mais comercial e recomendam fortemente conhecer Los Roques. O problema desta segunda opção é o preço, pois tudo por lá é mais caro, começando pelo transporte para se chegar lá (é preciso pegar avião). Para Isla Margarita é possível ir de barco.
Nossa viagem focou no interior do país, principalmente porque o Rafael não é muito de praia e a pressão foi grande para deixarmos o Caribe em segunda opção.
Pude ao menos ter uma tarde de praia na véspera do retorno para Floripa. :-)

Como é bom tomar banho num mar com águas quentes!

5 de setembro de 2008

O teleférico de Chavez e a maior sorveteria do mundo (!)

Mesmo com o Teleférico fechado, fui lá dar uma espiada nas instalações.

Deparei-me com uma enorme foto do Chavez e não entendi por que eu ainda me surpreendia com isso. hahahahaha





Falando em grandes atrações, outra da cidade de Mérida é uma sorveteria que bateu o record mundial de número de sabores e encontra-se no Guiness Book. Creio que são 1000 sabores ou próximo disso. Assim, você tem a oportunidade de experimentar sabores nada comuns, tais como: tomate, queijo, atum, salmão, cachaça, whisky, entre outros. Naturalmente os sabores do nosso cotidianos também sao encontrados nesta sorveteria, tais como chocolate, morango, entre outros, mas imagine a criatividade que o sorveteiro teve que ter para bater este record. Eu pensei que o Rafa ia ser mais audacioso na escolha dos sabores, mas nem foi tanto. Pegou uma vasilha com 4 opções: arroz, moscatel, guanabana (fruta) e cachaça (esta foi eu quem pediu). Achei tudo horrível, mas valeu pela experiência turística.

Sorveteria famosa que bateu record mundial de número de sabores. Instalações bem bregas e sabores de apavorar!

Nossa experiência gastronômica não teve sucesso.

Mérida - a cidade com o maior teleférico do mundo, porém fechado...


Havia muita dúvida se iríamos ou não para Mérida. O planejamento inicial era para irmos, porém uma semana antes de partirmos para a Venezuela, a maior atração da cidade foi fechada para manutenção, sem previsao de retorno. Refiro-me ao maior teleférico do mundo em distância e altitude, com 12,5 km de extensão, chegando a 4765 metros de altitude: o teleférico de Mérida. No momento os engenheiros responsáveis estao avaliando se será mais vantajoso a manutenção e construir um novo. Neste contexto, especula-se que poderá levar até 3 anos o retorno da atração da cidade.
Porém Mérida não se resume ao teleférico. É uma cidade situada a 1640 metros de altitude, nas montanhas da cordilheira dos Andes, que termina justamente na Venezuela. Por sua localização, o turismo local é totalmente voltado a esportes de aventura, tais como: trekking, escalada, mountain bike, paragliding, canyoning, rafting, entre outras opções. Além disso, também possui um observatório astronômico famoso numa das montanhas de 3600 metros.
Também é uma cidade com bastante balada, visto que existem muitas universidades aqui, fazendo esta cidade com cara de pequena colonia espanhola ter um movimento de carros e pessoas desproporcional.


Casas típicas, estilo espanhol, da cidade de Mérida.


Fizemos um passeio legal por aqui. Trilha de 2 horas para a lagoa Negra, apreciando a vegetação, o clima e a paisagem a mais de 3 mil metros de altura. Almoço típico (truta) e depois mais uma trilha no período da tarde para nos banhar em águas termais no topo de uma montanha. Frio pra caramba do lado de fora e quentinho dentro da água.

Flores da região. A da foto maior é bem típica, possui folhas aveludadas e quando quebramos as folhas sai um cheiro agradável parecido com menta. Dizem que fazem remédios par asma com ela.



Trilha para a lagoa Negra. Aqui estava fácil: plano e sem lama. 




Lagoa Negra: diz o guia que tivemos muita sorte, pois normalmente há névoa sobre a lagoa. 


Na piscina de águas quentes. Aqui só a pequena barragem é artificial. 


Voltando pela trilha. Rápido pois estava frio, ainda mais com o cabelo molhado! 


4 de setembro de 2008

Caracas turistica


Dentre os locais a visitar em Caracas estao o teleférico.




Fiquei bem surpresa com o local, a qualidade dos equipamentos e a altura que chega (2.100 metros). O custo do ticket é de 25 BF por pessoa. No alto, faz bastante frio e fomos pegos desprevinidos, afinal estava o maior calor em Caracas! Como imaginar? E ainda por cima, logo do outro lado da montanha, é possível avistar o mar do Caribe...


Os Venezuelanos que lá estavam nao eram amadores como nós: estavam bem trajados com casacos, luvas e até gorros.


Para esquentar, o Rafael comprou uns 4 chocolates quentes e depois entramos num estabelecimento para comer foundue.




Foundue de chocolate no frio de Caracas (2100 metros - alto do teleférico)


Outro local a visitar é o centro histórico, com a praca Bolivar, a casa onde Simon Bolivar nasceu e o museu. As casas no entorno sao todas no estilo espanhol, criando uma atmosfera de cidade pequena dentro da grande capital.




Casa onde nasceu o herói da independencia venezuelana: Simon Bolivar




Estátua de Simon Bolivar na praca Bolivar. (toda cidade na Venezuela possui uma praca Bolivar)



Rafael empolgado com o socialismo de Chavez. Até de camiseta vermelha ele estava! kakaka


Depois mais calmo, apreciando a praca Bolivar...


Fomos tambem no Boulevard de Sabana Grande, um calcadao com bares, área para jogar xadrez e muitas, mas muitas mesmo, lojas de sapatos e tenis. Nada de muito especial, mas sempre bom de conhecer.


Arepas em Caracas


Caracas, capital da Venezuela, é uma cidade situada no vale entre montanhas. É uma cidade que nos causou um certo medo, devido a inseguranca que paira no ar. Os próprios caraquenhos que nos receberam por aqui (através do site de hospedagem: couchsurfing), contavam muitas histórias de violencia, assaltos e balas perdidas. Nao só pelas historias que nos contavam, mas era notável a quantidade de grades que as residencias possuem, muito mais que no Brasil. Mesmo nos apartamentos, é enorme a quantidade de grades, nao se restringindo aos primeiros pavimentos. Também as portas dos apartamentos, possuem grades antes de poder acessá-las. Neste clima, nem o Rafa quis sair com a sua super camera pela cidade. Levamos somente a minha pequena.

No primeiro dia (29/08/08) visitamos alguns centros comerciais famosos, passando o tempo enquanto nosso amigo Ricardo Soto estava no trabalho. O Mário (seu irmao que nos recepcionou em Caracas) nos levou a um shopping que se donomina como o maior da América do Sul: Centro Sambil. Realmente impressionante. Depois fomos a outros centro chamado Centro Comercial San Ignacio, uma local que dizem que durante a noite é o point da balada. Para um delicioso café, paramos no meio destes 2 centros comerciais, num local tradicional com doces e lanches ótimos: Danubio.


Voltamos a casa dos pais de Ricardo (que estavam viajando) e lá aguardamos por ele.

Ricardo é um amigo que conhecemos através do site Couchsurfing e através deste site o hospedemos em nossa casa em Florianópolis. Agora tivemos a experiencia de nos hospedarmos em sua casa. Ele é uma pessoa muito querida.

A noite entao, convidou seu outro irmao (José Ignacio) e sua esposa e também mais um casal do mesmo site couchsurfing: Cristino e Milagros. Ricardo cozinhou para nós e fez uma rodada de arepas. Estas estavam muito melhor do que as que experimentei em Salto Angel, eram assadas e estavam mais saborosas.

Ricardo preparando as arepas para todos

Eu e Christian esperando com fome!


Finalmente as arepas! Agora é só rechear...


Milagros e Christian, casal que também está no couchsurfing


Os ingredientes da noite: sangria para beber (uma mistura de frutas com vinho) e a farinha que se faz as arepas. Claro que rolou ainda cuba libre e cerveja. No dia seguinte paguei pelas misturas... :-P

Ainda na mesma noite o Ricardo fez um desafio aos irmaos e cunhada: dentre 8 cervejas nacionais conhecidas por eles, teriam que adivinhar qual era qual em copos nao identificados. Para nos brasileiros o desafio era somente identificar qual delas era a Brahma. Obviamente como somos péssimos bebedores de cerveja erramos... :-(


As cervejas do festival de degustacao.


Rafael com cara de quem entende do assunto.

The Nike Human Race

Domingo, dia 31, em Caracas ocorreu a prova "The Nike Human Race" de 10 km.

No sábado, véspera da prova, fomos com o Ricardo pegar o kit da prova (camiseta, número, brindes). Ao fundo está o trajeto que iríamos percorrer no dia seguinte.

Esta prova ocorre em 25 capitais do mundo no mesmo dia, juntando aproximadamente 1 milhao de pessoas com um único objetivo: correr!

Em Caracas eram 9 mil pessoas inscritas, tendo as inscricoes se esgotado mais de 1 mes atras. Estima-se que eram mais de 10 mil correndo, pois muitas pessoas, assim como eu e o Rafael, se juntaram a massa para participar. O Ricardo e o Mário (seu irmao) que nos estavam hospedando estavam com suas camisetas de inscritos.

Antes da prova, com Ricardo (esquerda) e Mário (direita).


Eram tantas pessoas que quando a prova iniciou, ficamos parados, estáticos, de tanta gente que tinha. Demorou mais de 4 minutos para cruzarmos a linha de largada!

Eu nunca havia participado de uma prova tao grande e a energia era contagiante. Numa das avenidas que passamos havia um rotorno no final e era lindo de ver tanta gente indo a frente, tanta gente já retornando pela mesma avenida e tanta gente ainda atrás de nós. Era muita gente mesmo!

Para nós (eu e o Rafa), turistas, ainda foi mais interessante percorrer ruas desconhecidas e visitar a cidade correndo.

O calor também estava de matar, mesmo a prova tendo iniciado as 7:30 horas da manha! Haviam muitos postos de água e energético Powerade (umas das coisas mais horríveis que já tomei em corrida). UFA!


No final da prova os meninos arrancaram um dos cartazes para levar de brinde para casa.

Com nossa medalha de participacao! Todos, mesmos os que nao estavam oficialmente inscritos ganharam medalhas!

3 de setembro de 2008

O Socialismo de Chavez


A experiência de visitar a Venezuela não se resume aos pontos turísticos. Para quem gosta de política e de análise social é um prato cheio. As propagandas do "socialismo do século 21" estão em TODOS os lugares (mesmo!!!) e percebe-se a forte influência das ações do governo vigente no dia a dia das pessoas.
Primeiro é que tudo está sendo nacionalizado. Estão literalmente expulsando os "estrangeiros" e alguns sintomas sao percebidos, como a racionalização do leite, visto que os alimentos também estão sendo nacionalizados ou tabelados. A resposta a isso é que os produtos estao sumindo das prateleiras. Será que vão conseguir nacionalizar os inúmeros Mc Donalds e outras franquias americanas que todos daqui também desejam?!

Nao me levem a sério nesta foto, por favor! hahaha

Outro fato curioso foi que passamos por falta de luz em Mérida. Conversando com os locais eles explicaram que as companhias de luz também estão sendo nacionalizadas e que depois deste processo, a energia tem faltado MAIS!
É claro que muitos também defendem as ações de Chavez e listam melhorias para o país.
Outras percepções:
  1. praticamente todas as mulheres tem silicone (inclusive existe uma música com o tema: "la chica de silicone" ou algo assim), inclusive os manequins das lojas são de assombrar! ;-)

  2. O povo por aqui curte mesmo é música reggae.

  3. Vê-se carros muito antigo nas ruas, daqueles que consomem vários litros por quilômetro, mas como a gasolina por aqui nao passa de 5 centavos de reais o litro, quem se importa do consumo?

  4. Quarteto Fantástico do socialismo venezoelano estampado nas camisetas: Fidel Castro, Che Guevara, Chavez e Simon Bolivar.

  5. O programa Miss Venezuela é um dos mais assistido e comentados por todos, inclusive pelos homens. Compararam pejorativamente que no Brasil as mulheres sonham em ser capa da Playboy, mas que na Venezuela o sonho é ser Miss e que portanto as mulheres seriam mais sérias... 

  6. As estradas são ótimas, bem asfaltadas e com olhos de gato por todas as rodovias.

  7. Os ônibus de viagem são todos leitos, com ar condicionado e custam em torno de 60 Bolivares Fortes (30 reais) uma viagem de 10 horas. OBS: o ar condicionado destes onibus sao famosos por serem extremamente fortes e todos viajam com casacos e cobertores. É estranho no calor infernal de cidades como Caracas ou Ciudad Bolivar as pessoas embarcarem com cobertores.

1 de setembro de 2008

Salto Angel - A Maior Cachoeira do Mundo (3º Dia)

3º Dia - 28/08/2008

Como no dia anterior fomos dormir super cedo devido a falta do que fazer no escuro, acordamos com os pássaros logo nos primeiros raios de sol. Antes do café da manha ainda foi possível tirar boas fotos de Salto Angel, desta vez a distancia (por volta das 6 da manha - ver foto abaixo).


O café foi arepas com ovo e queijo. Nao gostei muito das arepas servidas nesta expedicao: eram fritas e extremamente gordurosas. Terei que experimentar outras na cidade para ver se é assim mesmo o lanche mais comido em toda a Venezuela.
Com as mochilas todas dentro da canoa, comecamos a decida do rio por volta das 8 da manha. A decida foi muito mais rapida que a subida, tendo levado umas 2 horas e meia. Por outro lado descer as correderas dá mais emocao devido a velocidade que se chega. É um rafting de canoa.


Trajeto de retorno pelo rio. É cenário de um mundo perdido...


Voltamos ao acampamento do primeiro dia somente para almocar e tomar um banho "civilizado". Depois foi só aguardar a "chamada" para irmos ao aeroporto e pegarmos novamente o teco teco para Ciudad Bolivar. ai ai. Que desconforto estas aeronaves, especialmente quando passam por nuvens carregadas de chuva...
Related Posts with Thumbnails